9 de junho de 2008

"Prá não dizer que não falei das flores".

A cada seis dias uma espécie de flor é catalogada pelos biólogos no cerrado brasileiro (no Brasil, é uma espécie a cada dois dias) enquanto, outras plantas correm risco de sumir diante dos índices crescentes de desmatamento.

Um levantamento da BIODIVERSITAS, que atualiza a Lista Brasileira da Flora Ameaçada de Extinção, mostra que 531 espécies do Cerrado (92 em Goiás) estão vulneráveis, em perigo ou criticamente em perigo. Das plantas da lista, 34% são típicas do Cerrado.
Vejam, o que relata um texto da FOLHA DE SÃO PAULO sobre o BIOMA CERRADO. “A situação mais crítica em Goiás é de determinados arbustos e ervas rasteiras, que sucumbem à formação de novas pastagens e áreas agrícolas. Dezesseis espécies da família Asteraceae correm risco de extinção, algumas com flores vistosas, como é o caso do popular assa-peixe (as abelhas produzem um mel de altíssima qualidade dessa flor). Outras plantas produzem sementes bastante utilizadas no artesanato. Estão sob risco de extinção espécies das mesmas famílias do murici, da quaresmeira e sete tipos de orquídea. Uma das orquídeas ameaçadas, Cyrtopodium linearifolium, foi descoberta na Chapada dos Veadeiros há pouco mais de sete anos."No Cerrado há quatro vezes mais arbustos e ervas do que árvores. Algumas ervas ocorrem somente em áreas rochosas, bastante exploradas por mineradoras", diz a pesquisadora Jeanini Felfili, professora de Engenharia Florestal da Universidade de Brasília (UnB). "A expectativa é que se chegue a 20 mil espécies." Mais de 12 mil espécies de Cerrado estão catalogadas. Jeanini ressalta que o ritmo das descobertas é bem mais lento do que o da devastação. "Enquanto o incentivo à cana e à monocultura é cada vez maior, faltam apoio e investimento em formação e pesquisa. "A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Recursos Genéticos e Biotecnologia já catalogou no Cerrado 330 espécies de uso na medicina popular. A flora medicinal e aromática do bioma desperta o interesse da indústria farmacêutica, da agroindústria e da indústria de cosméticos e higiene.A Embrapa desenvolve um inventário da flora medicinal e aromática do Cerrado. Nesta compilação estão espécies descobertas pela pesquisadora Taciana Cavalcanti. As flores, que produzem óleos imaturados, fazem parte também do levantamento feito pelos pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Nos vídeos do Tophe, você poderá deleitar seus olhos nas flores estonteantes do cerrado.

Em outros blogs