18 de setembro de 2008

Pela vida do Rio Meia Ponte.

Leia o EDITORIAL de "O Popular" do dia 18 de setembro.
A localização da cidade de Goiânia teve como fator determinante a presença desse manancial.

Os ambientalistas e os que respeitam a natureza só podem ficar desolados com a constatação de que o Meia Ponte está com a sua vida comprometida pela poluição, que ataca este rio, atualmente, em toda a sua extensão de 430 quilômetros.

Conforme mostrou reportagem deste jornal na edição de ontem, a poluição das águas do Meia Ponte se agrava a um grau elevadíssimo no trecho em que banha Goiânia, mas o rio sofre desde a sua nascente, no município de Itauçu, até a sua foz, quando deságua no Paranaíba.


O Meia Ponte e os tributários que ele acolhe na região de Goiânia foram determinante fator na escolha dessa área para a mudança da capitão do Estado. A abundância de água pesou fundamentalmente nas considerações da comissão que recomendou a escolha da área para a construção de Goiânia. O Meia Ponte contribuiu, portanto, com grande benefício.

Muito lamentável que, passados mais de 70 anos, esteja sendo sacrificado tanto por esta ligação com espaços de grande ocupação demográfica, à medida em que se aproxima da capital do Estado.

Se a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) não conseguiu despoluir na escala esperada, o que fazer? Esta desafiadora indagação tem de buscar resposta, e com muita urgência, numa mobilização para salvar o rio que comece pela adoção de medidas impositivas, mas que não estão sendo sequer cogitadas ainda. É hora de começar.

Em outros blogs